Equilibrio vida/trabalho

Se você não tomar cuidado, um home office pode tornar-se um péssimo inimigo da sua vida pessoal. Viver tão próximo do seu escritório cria a percepção (para você e para alguns tipos de clientes) que você deve estar disponível 24 horas por dia. Este plantão torna seu trabalho um foco de estresse tão grande (ou até maior) do que se ele estivesse sendo realizado em um escritório tradicional. Isto afeta não só a sua saúde, mas também seus relacionamentos com amigos e família e sua satisfação pessoal.

Mas como saber se sua vida está bem balanceada com seu trabalho? Perceba se estes sintomas são familiares, respondendo as questões abaixo:

a. Quando alguém que não conhece você (em uma festa, por exemplo) e pergunta a seu respeito, sua resposta é uma definição da sua atividade profissional? Você tem dificuldade em conversar sobre algo que não seja o seu trabalho?

b. Há meses (ou anos) você ocupa muito do seu tempo com trabalho, mas justifica-se comentando que isto é uma fase e logo o nível de trabalho vai voltar ao normal?

c. Você não tem saído muito com seus amigos, por que isto parece simplesmente uma perda de tempo?

d. Sua família reclama que não o vê muito? Tem perdido eventos familiares importantes por conta do trabalho?

e. Você tem ido menos ao cinema, jogos, festas, etc. por conta do trabalho?

f. Você se sente “vazio”, desanimado ou deprimido quando não está trabalhando?

g. Você se sente meio perdido e não tem muita certeza do que fazer, quando não está ocupado trabalhando?

h. Tirar férias, relaxar ou ficar sem fazer nada te faz sentir culpado ou nervoso?

i. Você trabalha até o ponto de ficar tão cansado que não quer fazer mais nada?

j. Você tem tido dificuldade para dizer “não” a propostas de trabalho?

l. Você só acredita que teve um dia positivo quando conseguiu realizar uma grande quantidade de trabalho?

m. Seu corpo está começando a se manifestar? Sua memória tem falhado? Sente-se exausto? Tem estado irritado? Sua produtividade tem diminuído? Sente dores, resfriados, etc.?

n. Você tem se questionado sobre qual é o objetivo de tanto esforço?

Se você respondeu “sim” para pelo menos quatro itens acima, sua receita de vida e trabalho em casa pode estar desandando. Seguem algumas dicas para reestabelecer (ou pelo menos manter) o equilíbrio entre a vida e o trabalho.

1. Cuide da matéria-prima. Pense em si como um recurso indispensável e insubstituível da sua empresa. Afinal de contas, nada é mais valioso para o funcionamento do seu escritório em casa do que você mesmo. Faça a frequente manutenção da sua saúde e do seu bem-estar e faça pausas para não fundir os motores.

2. Seja um chefe bacana de si mesmo. Visualize outra pessoa trabalhando no seu lugar. Se esta pessoa fosse seu funcionário, como você a trataria? Seria tão exigente com relação a horas trabalhadas e metas atingidas? Será que ela aguentaria tanta pressão?

3. Pare de pensar em si somente como um profissional. Lembre-se de que antes de mais nada você é uma pessoa com família, amigos e a necessidade de fazer exercícios, socializar e relaxar longe do ambiente de trabalho.

4. Faça uma lista com as atividades não relacionadas ao trabalho que você mais gosta. Dos mais simples prazeres (fazer palavras-cruzadas ou ler o jornal no sol) às atividades que demandam mais do seu tempo (cozinhar para amigos ou jogar tênis). O objetivo de criar esta lista é visualizar as coisas que você tem deixado de fazer por conta do trabalho. Deixe a lista em um lugar visível do seu escritório, como um lembrete. Se você perceber que não realiza estas atividades há algum tempo, talvez seja um sinal que é a hora de fazer uma pausa.

5. Seja sincero com suas prioridades. Muitas vezes achamos que estamos colocando a vida pessoal na frente do trabalho, mas o subconsciente tem uma hierarquia diferente de prioridades. Faça uma auto-análise imparcial e procure perceber qual o peso de importância que realmente tem dado para a familia e para a carreira. E corrija eventuais injustiças.

6. Enfrente seu medo de não ter trabalho. Aprenda a lidar com a sazonalidade e a imprevisibilidade do trabalho autônomo e do empreendedorismo.

7. Coloque como uma meta gastar mais tempo com assuntos pessoais. Se necessário marque na agenda um horário para fazer esporte, almoçar com amigos ou brincar com os filhos. Leve estes eventos tão a sério quanto os profissionais.

8. Estabeleça compromissos pessoais que te obriguem a sair do escritório. Por exemplo: compre ingressos para diversas peças de um festival de teatro.

9. Relaxe, em todos os sentidos. Procure aceitar a idéia de que não fazer nada é ótimo. Aprender a relaxar sem culpa é o melhor remédio contra ansiedade e estresse. Coloque também este item na sua agenda. E evite usar este tempo para sua família ou obrigações sociais. E muito menos para botar em dia sua leitura profissional ou as finanças pessoais. Este é um tempo para usar com você mesmo. Ficar de pernas pro ar, pelo menos algumas horas por semana, pode colocar seus problemas em uma perspectiva mais racional e deixar suas idéias mais afiadas e criativas.

10. (Re)construa uma vida pessoal. Para quem já passou do ponto e já nem sabe mais o que significa ter uma vida pessoal, talvez seja preciso começar do zero. Matricule em um curso para aperfeiçoar sua vida pessoal (fotografia, culinária, danças de salão, tênis, qualquer coisa que não traga a intenção de desenvolver-se profissionalmente). Faça trabalhos voluntários. Puxe assunto com estranhos e faça novas amizades. Crie uma rotina de diversão (jogar sinuca, fazer um piquenique). Comece um hobby (jardinagem, coleções, mergulho, etc.).

(Quer Aprender os Primeiros Passos Para Ganhar Dinheiro Sem Sair de Casa?
Clique no Banner Abaixo!)







6 Comments

  • Enio Manzoni

    Reply Reply 6 de agosto de 2007

    Já passei pela experiencia de trabalhar em casa. Quando a Comunicare iniciou, a produção estava instalada na Garagem de dois apartamentos. Morava no n° 01 e no n° 02 estavam Recepção, fotolito, arte, acabamento. Os clientes foram descobrindo que éra tudo junto. Surgiram várias situações inusitadas. Precisa separar bem as coisas, se não não “desliga” nunca e o stress é inevitável.
    PARABÉNS PELO “GOHOME”.

  • André Brik

    Reply Reply 6 de agosto de 2007

    Olá Enio! Escreva contando sobre as situações inusitadas e como você os gerenciou.

    Sobre o stress de não conseguir desligar: acho que este é o maior de todos os desafios!

    Obrigado pelos elogios e grande abraço!

  • Silvia Diogo

    Reply Reply 8 de agosto de 2007

    Gente gostei muito de ter acessado este sitio, as informações são vastas, eu gostaria de saber se vcs nao tem nenhuma proposta pra quem nao tem definição por onde começar um trabalho em casa, sou estudante de direto, estou fazendo vários trabalhos voluntários, mas gostaria de fazer mais, e com uma remunweração legal.

  • André Brik

    Reply Reply 8 de agosto de 2007

    Oi Silvia. Você encontra algumas dicas e testes na categoria “Go(ing) home” deste blog. Não é o caminho das pedras, mas pode ser um bom começo.

    Boa sorte!

  • ana paula

    Reply Reply 23 de agosto de 2007

    boa tarde, estou a procura de uma atividde que possa desenvolver em casa, com tanquildade e discrisão. cansei de procurar serviço e ficar na espectativa que eu poderia fazer a entrevista e começar a trabalhar logo . agora só quero trabalhar em casa ,estou á procura de uma oportunidade.

  • André Brik

    Reply Reply 23 de agosto de 2007

    Oi Ana, tudo bem?

    A grande sacada do home office é que a oportunidade não aparece, mas a gente tem que cavá-la. Precisa ter um perfil empreendedor. Preparar-se psicologica e financeiramente. Aprender tudo aquilo que a gente não sabe (ou melhorar naquilo que a gente é meio fraco). E aí respirar fundo e partir pra luta. Demora um pouco, dá um trabalhão, precisa ter disciplina, mas vale muito a pena. Vale lembrar que ser patrão é muito mais trabalhoso do que ser empregado. Mas nada é melhor do que depender só de si mesmo para colocar na mesa o leite das crianças!

    Pensamento positivo e boa sorte!

Leave A Response

* Denotes Required Field