Dicas para uma mãe no home-office: entrevista com Alessandra Okazaki

Rate this post

A Ale é jornalista, assessora de imprensa e colabora no blog. Mas como acabou de ser mãe da Maria Luiza ainda não teve tempo de escrever para nós. Como muita gente quer saber as dicas de como gerenciar a profissão no home-officer com as correrias de mãe, resolvi poupar seu tempo escasso e fiz algumas perguntas pertinentes. Consegui respostas bem relevantes! Anotem aí:

1. Quais os preparativos que devem ser feitos por uma mãe que trabalha fora e pretende montar um escritório em casa?
Além de montar uma estrutura apropriada, com escritório separado fechado com porta, o ideal é ter uma pessoa que te apóie em momentos críticos. Por exemplo, é impossível se concentrar e fazer aquele trabalho com prazo para entregar com um neném chorando do seu lado. Ou seja, o fato de você trabalhar em casa não quer dizer que a babá ou outra pessoa que te ajude esteja dispensada. A solução que encontrei foi a seguinte: contratei uma pessoa que limpa a casa. E quando estou trabalhando pesado ou tenho que sair, ela cuida da Maria. Ela não é babá exclusivamente, pelo menos ainda…. Por que conforme vai crescendo e engatinhando e andando, já viu, né? Ah, esqueça querer trabalhar nos dois primeiros meses. É um período de adaptação complicado, não dormimos direito, o nenê mama toda hora, estamos super inseguras com a maternidade…

2. Como se concentrar no trabalho com as interferências, demandas e necessidade de atenção de um filho?
Como falei, tem que ter alguém. E se concentrar. À partir do momento que você decidiu que vai voltar a trabalhar, que não vai abandonar sua carreira, por mais que um filho seja importante, não dá para deixar que qualquer tipo de interferência possa prejudicar o trabalho. Se bem que, dependendo do trabalho, dá para ficar com a Maria no colo. Quando escrevo e estou no telefone, sem condições, mas se estou vendo e-mails, internet e tratando imagens, ate dá. Isso qdo ela não quer “digitar” também. rsrsrs.. Ela adora teclar! E usar a calculadora.

3. Qual o limite que deve se impor entre casa e escritório com relação à ruidos: não permitir que a criança brinque na sua própria casa e perder em profissionalismo? Contar com a compreensão dos clientes? Existe uma solução intermediária?
Definitivamente uma criança chorando ou gritando quando você está ao telefone com o seu cliente mais importante nao inspira credibilidade. por isso, quando tiver no telefone, feche a porta e saia de perto da criança.

4. Como você gerencia seu tempo entre trabalho e cuidar da Maria Luiza?
Criamos uma rotina. Ela mesma já tem a sua, horários para dormir, para mamar.. Aí vou encaixando meus afazeres. A melhor hora para trabalhar é quando ela está dormindo claro. Mas por enquanto não posso ficar sem amamentar por mais de 3 horas. Portanto, me divido o dia inteiro entre Maria e trabalho. Trabalha um pouquinho, dá mama, brinca, ela dorme, trabalho mais um pouco, ela acorda, dou mamá, saio, volto, dou mamá, vejo os emails… e assim vai. Uma hora boa para trabalhar é depois das 9 da noite quando ela ja dormiu e só vai acordar no dia seguinte.

5. Para quem já trabalha em home office como você, quais foram as maiores mudanças que aconteceram na sua forma de trabalhar depois do nascimento da Maria Luiza?
Com certeza as interferências sao maiores. Ainda não entrei no ritmo de trabalho que estava antes justamente por isso. não dá para assumir grandes responsabilidades, pois ainda estou amamentando de três em três horas. À partir de agora, que ela vai fazer seis meses, isso vai mudar, pois ela vai passar a comer papinha que a empregada pode dar. E eu vou dar menos mamá.

6. Para uma mãe, quais são as maiores vantagens de um home-office?
Poder acompanhar o desenvolvimento do seu filho de perto. Ganhar um sorriso mais lindo do mundo nos intervalos (motivação total!), tranquilidade de saber que seu filho esta bem.

7. E os desafios?
Conseguir se concentrar, porque a tentação de querer ficar com ela o tempo todo é grande e a demanda de trabalho cresce. Você fica mais estressada também.

8. Quais conselhos você daria para uma mãe que está pensando em ir trabalhar em casa?
Vá sem medo de se arrepender, mas se organize e veja que é muito melhor trabalhar com seu filho por perto, do que estar no escritório com vontade de estar com ele ou preocupada se esta sendo bem cuidado. Bem, não sei na prática ainda, mas acredito que o quanto antes começar a trabalhar, melhor. Porque a criança vai se habituando ao fato da mamãe estar trabalhando em casa e vai procurar não atrapalhar. Porque, claro, você vai ensiná-lo desde cedo a respeitar isso.

Confesso que ainda estou aprendendo, afinal sou mãe há apenas cinco meses. Te digo que com ou sem ela, tem três coisas que não podem faltar: bom senso, organização e determinação. Ah, ter um laptop também é mão na roda para quem trabalha em casa. Ele virou extensão do meu corpo!!

3 Comments

  • Dennise Guilhon

    Reply Reply 7 de agosto de 2007

    Quando engravidei em 2004, eu e meu marido decidimos mudar tudo em função de nosso primeiro filho,o João. Após um ano de entrevistas, meu marido conseguiu recolocação em uma empresa no interior de Minas Gerais. Eu pedi demissão de uma multinacional e aos pouquinhos fomos nos organizando em uma cidade pequena, morando numa área de preservação ambiental, longe de tudo, numa casa com bastante espaço para brincadeiras e transformações de um bebê. Decidi engravidar novamente e, ao mesmo tempo, trabalhar prestando serviços na minha área, tendo como base minha casa. Montei meu escritório e uma lista de atividades para a empregada doméstica e para a babá, o que me facilita muito em não ter que repassar todos os dias as mesmas coisas. Pus nessa estrutura, tópicos relevantes para mim como atividades lúdicas com o João, lanche, cardápios, rotina da casa. Tive trabalho no começo para qualificar a minha “equipe de novos projetos”, esclarecendo a forma com que queria que as coisas fossem feitas e a importância de cada uma. O importante para mim, seria me sentir segura para dar foco a minha carreira e delegar o que realmente não precisaria da minha presença ou pitaco em tarefas que às vezes são bobas, mas que se estamos em casa, acabamos por querer fazer ou participar. Transformei um quarto de hóspedes em quarto de brincar e coloquei o meu primeiro filho em uma escolinha, à tarde. Com o Gabriel, que hoje tem 3 meses, estou mais experiente, mas seguro meus impulso de mãe coruja e realmente delego banho, troca de fralda, brincadeiras prolongadas, banho de sol, remédios. Se algo está errado e a babá não dá conta em 30 minutos, aí entro em ação. Tem coisas que só mãe consegue fazer. Crio os meus intervalos e me dou folgas. O importante é saber priorizar, planejar com antecedência compromissos e acima de tudo desmistificar que somente a mãe dá conta de tudo.

  • André Brik

    Reply Reply 8 de agosto de 2007

    Olá Denise. Gostei muito da regra dos 30 minutos. Estamos percebendo que ajuda externa e disciplina são pontos em comum para quem deseja gerenciar o escritório em casa com a presença dos filhos.

    Agradeço seu depoimento!

    Abraço!

  • Simone

    Reply Reply 26 de junho de 2015

    Adorei! Também quero trabalhar em casa com a minha neném. Isso nao tem preço. Obrigada Alessandra.

Leave A Response

* Denotes Required Field