Trabalho flexível é mais importante que salário

Rate this post

Para ajudar a ter uma ideia do panorama home office atualmente no Brasil e no mundo resolvemos compilar as informações mais recentes neste post.

Todas elas são super interessantes e até surpreendentes. Acompanhe:

Screen Shot 2014-01-22 at 17.48.18

Pesquisa sobre Mobilidade Urbana – Ibope e Rede Nossa São Paulo (set/13)

– O trânsito na cidade é “ruim” ou “péssimo” para 69% dos entrevistados
– O paulistano gasta, em média, 2h15m no trânsito, todos os dias

Empresa Ctrip: Desempenho dos trabalhadores melhorou 13% e o lucro da empresa cresceu 22%

Washington University: pessoas que fazem grandes trajetos diários entre casa e trabalho sofrem mais problemas de saúde (sobrepeso, pressão alta, etc.) (podcast Freakonomics/Ctrip)

Via Forbes:

Regus Global Economic Indicator 2013 (com 26 mil gerentes em 90 países): 48% deles trabalham remotamente pelo menos metade da semana de trabalho

Chess Media Group: 90% dos trabalhadores acreditam que uma empresa que oferece um ambiente de trabalho flexível é mais atraente do que uma empresa que não oferece

Global Workplace Analytics: 600 bilhões de dólares são gastos anualmente com distrações no ambiente de trabalho. A produtividade nacional (EUA) aumentaria de 334 bilhões para 467 bilhões por ano através do teletrabalho

Umea University, Suécia: casais onde um dos parceiros enfrenta deslocamento/commuting maior que 45 minutos são 40% mais suscetíveis ao divórcio por conta do stress gerado

Via Conta Azul (fontes diversas, incluindo o GoHome)

– 1,5 milhão de paulistanos atuam no mesmo local em que vivem (27% dos que têm emprego)
– 3 entre 5 profissionais afirmam que não precisam estar em um escritório para serem mais produtivos
– 66% é a média mundial de profissionais dispostos a trocar rendimentos maiores por rotinas mais flexíveis
– 83% dos brasileiros trocariam um salário maior por horários diferenciados de trabalho

Citi (dados CONARH 2013):

– Pesquisa de satisfação: 5% melhor para quem participar do programa
– Após o programa, 98% afirmaram maior satisfação
– Turnover 4% menor
– Processos trabalhistas 10% menos frequentes entre participantes do programa

1 Comment

  • Stephanie Gomes

    Reply Reply 22 de janeiro de 2014

    Com certeza eu trocaria meu emprego por um com salário menor se este me oferecesse mais qualidade de vida.

Leave A Response

* Denotes Required Field